Quatro vezes mais guerreiras: Os desafios das mulheres políticas no Mato Grosso do Sul e no Brasil

31

Na política e na vida, a informação e desinformação são armas poderosas. É lamentável que a desinformação venha sendo utilizada como uma das formas mais covardes de destruição de sonhos e lutas. Justamente por isso, em nosso bate papo, sempre trarei dados de fontes oficiais para termos a noção do contexto tratado.

Sendo assim, vamos aos dados: No ano de 2016, nas câmaras municipais “os homens tiveram chance quatro vezes maior que as mulheres” (Procuradoria Especial da Mulher, 2016, p.84) no Mato Grosso do Sul. Sendo que, na capital, Campo Grande, das 29 vagas na Câmara Municipal, apenas duas são ocupadas por mulheres. A Procuradoria Especial da Mulher (2016,p.80) aponta que naquele ano as mulheres do estado ocupavam “apenas 125 dos 947 cargos eletivos disponíveis, 13% do total”.

Nas eleições de 2018, embora tenhamos experimentado um aumentado da participação feminina tanto no Senado (dos três senadores, duas são mulheres), quanto na Câmara dos Deputados (de oito deputados federais, duas são mulheres). Na Assembleia Legislativa do Estado do Mato Grosso do Sul, não elegemos uma mulher sequer!  O ano de 2020 é ano de eleições municipais. Hoje temos na capital, Campo Grande, apenas duas mulheres das 29 vagas de representação na câmara municipal, 7% do total.

 Apesar de números tão baixos, nós mulheres representamos quase 52% do eleitorado no estado. Visto isso, o que falta para que nas próximas eleições aumentemos a representação feminina no legislativo em nosso Estado? Sem dúvidas é hora de consolidar a percepção que maior participação da mulher nos espaços de poder trás benefícios e equilíbrio para as políticas públicas. Investir na formação de lideranças femininas é crucial, além da concessão de tempo proporcional nas campanhas eleitorais.

 Mas, tudo isso é nulo, se não houver o entendimento de que uma mulher política possui todas as especificidades e desafios que qualquer outra mulher em sua vida pessoal, como, por exemplo, a dupla jornada de trabalho e a carga mental com relação à resolução dos problemas domésticos. Não raro, fazemos campanha com nossos filhos debaixo do braço, enfrentando o mundo hostil da política, encarando todo tipo de assédio e desconfiança sobre a capacidade de liderar e ocupar cargos de poder.

E como se não bastasse, agora, após termos conquistado uma garantia reserva de fundo eleitoral exclusivo para mulheres, somos mais uma vez separadas para as alas das frutas. Quando não é melancia, melão, pêra, jaca somos estigmatizadas como laranjas. E o que é preciso para finalmente sairmos das “prateleiras dos hortifrutis” da política?

Quatro vezes mais coragem, perseverança e trabalho. Quatro vezes mais paixão, compromisso e propósito. Quatro vezes mais suor, lágrimas e bravura. E principalmente infinitamente mais fé e esperança, pois o rojão sempre virá quatro vezes maior para nós.

Ser uma mulher com sonhos de transformar seu país em um lugar melhor por intermédio da política é um exercício para as corajosas e visionárias! Juntas somos mais fortes!

Desiré Queiroz

Coordenadora Estadual do PRB Mulher MS

Conselheira Nacional de Juventude

 

Envie seu material para o PRB Mulher Nacional pelo e-mail mulherempauta@prbmulher10.com.br. Conte pra gente as ações que as republicanas do PRB estão realizando em sua cidade, será interessante divulgar essas atuações no portal.